26 abril 2008

Não Por Acaso


Primeiro filme de Philippe Barcinski como diretor de longa metragem, e que belo filme. Posso dizer que começou com o pé direito. Um belo elenco, belo roteiro, ótima fotografia, um filme nacional que merece um lugar de destaque.
O filme conta a história de Ênio (Leonardo Medeiros), um engenheiro de trânsito que comanda o fluxo de carros de são paulo, e Pedro (Rodrigo Santoro), um marceneiro especializado na construção de mesas de sinuca. Ambos acabam tendo suas histórias entrelaçadas devido a um acidente em que Mônica, ex-mulher de Ênio, no qual tem uma filha chamada Bia de 16 anos, acaba atropelando Teresa, namorada de Pedro, e devido a esse acidente ambas acabam morrendo. Pedro acaba entrando em depressão junto com Ênio, e posteriormente conheçe Lúcia, que mora no antigo apartamento de Teresa. Enquanto isso Ênio tenta superar a dor e começa um relacionamento paternal com Bia.
Bem, esse filme é típico daqueles que entrelaçam histórias, enquanto ele mostra cenas da vida de Pedro ao mesmo tempo também é mostrado cenas da vida de Ênio. Ele se passa na cidade de São Paulo e aborda alguns temas como a depressão, esperança, amor, convivência, etc.



Elenco:

Rodrigo Santoro. . . Pedro
Leonardo Medeiros. . . Ênio
Letícia Sabatella. . . Lúcia
Branca Messina. . . Teresa
Rita Batata. . . Bia
Graziella Moretto. . . Mônica
Silvia Lourenço. . . Paula
Cássia Kiss. . . Iolanda

Ficha Técnica:

Direção:Philippe Barcinski

Roteiro:Philippe Barcinski, Fabiana Werneck Barcinski e Eugênio Puppo

Duração:90 min

Gênero:Drama

Ano de Lançamento: 2007


3 comentários:

Anti e o mundo do Eu-mesmo disse...

Opaaa
Um nacional aparecendo no Blog!
O cinema nacional deve ser constantemente valorizado, afinal, somos nós representados na telona,e ficamos bem nela, não é?
Mais um pra minha lista de filmes para assistir...!

Meu Hd chora nesse momento...bwauheahueauhae

Artur disse...

desse filme apenas vi o Trailler , tive boa impressão , creio que o destaque para ele aqui no Blog é digno
!!!

Suzzi disse...

Esse 'entrelace de histórias' me lembrou 'O fotógrafo', do Tezza, que eu comentei, lembra? E acho essa característica o máximo!